quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Voz segura de quem tem a distância
dos enredos que acabam por acontecer,
mãos de veludo, corpo manso,
imagens do presente de clareiras floridas.
És vida, és gente,
corpo diferente de uma vida iniciada,
sopro de voz que requer caminhada.


5 comentários:

Mar Arável disse...

Lá estarão os meus nos teus pés

Bj


Justine disse...

Há muito que por aqui não passava - o tempo é cada vez menos... - mas os teus textos continuam muito interessantes e apelativos! E tantos livros já pubicados! Fico contente:))
Um abraço

Graça Pires disse...

Voz segura, a tua, que tens a distância dos enredos e o apelo dos caminhos...
Beijo, Teresa.

Jaime Portela disse...

Tal como para os carteiristas, a boa poesia exige mãos de veludo. Porque os bons poetas sabem pegar nas palavras como ninguém, tal como a Teresa.
Excelente, gostei imenso.
Continuação de boa semana, querida amiga.
Um abraço.

© Piedade Araújo Sol disse...

enquanto houver sopro de voz o caminho acontece...

bom fim de semana.

beijo

:)