quarta-feira, 17 de dezembro de 2014


* imagem retirada da net


Os teus dedos desvendem caminhos antigos,
podando ramos inúteis,
quebrando vozes surdas.

segunda-feira, 24 de novembro de 2014





Tropeções na elipse do tempo,
as rodas dentadas sem permissão continuam a ser alimentadas.
Vem o fogo, vem a água,
vêm todos os elementos tentando apaziguar os lestos pensamentos.



sexta-feira, 21 de novembro de 2014


[Kandinsky]



Salta o muro, salta o cerco,
corre colinas com alento.
Vai de vento, vai de vento,
vai de tempo em tempo.
Tem depressa de chegar,
entregar-se ao movimento.


terça-feira, 18 de novembro de 2014




Hoje respirei a manhã
sabendo que todas são diferentes entre si,
o abraço gélido fez-me despertar os sentidos
como se fosse a primeira vez.
Senti-me dentro de mim
e deixei-a navegar no meu sangue.






quinta-feira, 13 de novembro de 2014

[Dali] 




Tragam o corpo envelhecido,
tentam a essência dobrar.
Que se esconde em paredes esféricas,
solo no solo, reserva de ar,
espreitando lentamente,
ansiando o resgatar.
Feijão a feijão, a natureza a brincar.



sábado, 8 de novembro de 2014

Lentamente, lentamente queimando o ar.
Como uma vela. Persistente.
Sim, uma vela, dessas que nos dão ilusões,
nas sombras fantasmagóricas,
no odor da natureza longínqua,
no movimento mudo.
Ao sabor de uma brisa inexistente.




sexta-feira, 7 de novembro de 2014




* retirado da net




Vai à proa a bom rumo,
Caçam os cabos para virar de bordo
Enquanto o vento brinca com o estai,
Vai furioso mas amarro
Deixando o mar lamber o casco.
Vai nele quem já não está seguro,
Perdeu a essência no sentido.