quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

* foto retirada da net

Falava-te das águas
que deixaram de espraiar
mas ouvias castelos de areia.
Nem quando as ondas recolheram
tu viste as sereias ao mar a regressar.


quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015




Por fora.
Por dentro.
As malhas vão apertando
mas sacudo as águas estagnadas.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015








Sê a seiva contida,
o deambular ao som da brisa,
o orvalho caído nas folhas
e liberta,
liberta-te na terra em ti finda.

domingo, 8 de fevereiro de 2015

[Monet]





Forma-se um lago nas mãos luzidias
que tenta chegar às margens lambendo as extremidades insensíveis
deparando-se com névoas
incapazes de quebrar as barreiras invisíveis.





quinta-feira, 29 de janeiro de 2015


[Cezanne]




Fui uma folha esvoaçante
perdida na estação do tempo.
Fui corpo diferente em mente diferente,
reconstrução da crença que não era o divino.
E caí
num mar de pétalas errantes que desconhecem as searas.

domingo, 28 de dezembro de 2014



* imagem retirada da net


Não sobrou muito das paredes caiadas de histórias antigas:
quando os versos perderam as rimas
soltaram urros de dores acumuladas.
Cansados de mordaças e gestos prendidos
começaram lentamente a desenhar linhas sem nexos
relembrando esboços de bonecos esquecidos.
Num bater de asas surpreso,
esticaram penas,
lançaram-se em ventos infinitos sem olhar a meios,
fugiram céu adentro para outros caminhos.



sexta-feira, 26 de dezembro de 2014


* imagem retirada da net

Foste palco, notícia,
foste promessa cumprida e não cumprida,
foste voz de amante, choro de criança,
chuva que abafou vozes, vento de levante,
testemunha irregular de notícias,
foste e ficaste palco vagante.