segunda-feira, 17 de abril de 2017

Quem desenhará Guernica
Quando a humanidade enlouquece
A brutalidade é feita de preto
E a tela por pintar?

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Quando morrer
Serei um caixão único
Apodrecido antes do fogo
Purificado na noite

Até não ter nome

sábado, 8 de abril de 2017

Há um álbum que me faz voar. Vivê-lo é ser-se construtor de palavras, ter medo das mesmas, necessitá-las para a explosão inicial, perpétua, necessária.

Há trejeitos nos gestos das palavras que nos consomem.

Há morte perante a morte que nos questiona a vida.

Há um princípio e um fim. Teremos a sorte de dominarmos ambos?

Há versos que nunca caberão porque o espaço é estreito demais.
No meu quintal brincam os gatos alheios às intempérias. Todos devíamos ser assim, natureza e ar, terra e canteiros, leveza de espírito. Quiseram os Deuses que tudo fosse diferente ou tornaram-se alheios ao deambulear de corpos.

Pouco resta da terra deserta, das flores selvagens, dos homens de palavra.

Temo que sugamos a água a todas as raízes até não sobrar nada.

Temo sermos um poço abandonado sem nada nas nossas mãos, somente a descrença e ambigu