segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Dou-te o meu tempo
onde escondo um abraço,
onde afago o teu pelo.
Não estás, mas as paredes
guardam silenciosamente
os teus passos para o meu regaço.


(de onde nunca saíste)



2 comentários:

Graça Pires disse...

Quando os dias não deixam esquecer...
Lindo, Teresa.
Uma boa semana.
Um beijo.

Mar Arável disse...

Excelente registo de afectos
Bj