sábado, 31 de outubro de 2015

Quero desejar ser vida entre os teus dedos,
saber que te vivo na muralha do silêncio,
ondo povoam os nossos contornos
feitos de ramagem verdejante.
Quero procurar e encontrar-te
nas noites aglomeradas de pontos cintilantes
onde fazemos nascer histórias só nossas
contadas num livro imaginado qualquer.
Viver-te em glória e por fim
escrever-te em ardosa.



3 comentários:

Mar Arável disse...

Na pedra as palavras respiram por guelras

Bj

heretico disse...

que maior glória?
que viver no afago dos dedos e ser escrito na ardósia?

beijo

© Piedade Araújo Sol disse...

histórias só nossas, só nossas...

muito belo isto!

:)