quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Veio do pó das botas do caminho,
não contido e bravio,
palete escura que não vislumbra.
Veio num dia solarengo
escorregadio como água de fonte
alagando quem a defronte
ensopando o conhecido.
Molha a borda do vestido,
escurece de lama os botins
perderam-se os versos de romance
ergueram-se as distâncias dos confins.

Sem comentários: