quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Botas que marcham no meu país,
sussurros por aqui e ali,
contestações e ardis.
Gigantescas as palavras
de todas as vozes que já foram apagadas.
Não sei onde vivo,
quero construção e não desígnio.


Sem comentários: