sábado, 24 de outubro de 2015

Não te pedi que soprasses as nuvens
para o horizonte longínquo da minha sombra.
- Daria tudo por o fazer.
Não misturei o odor dos meus cabelos
nas grinaldas que te queria oferecer.
- Soprei-as mansamente.
Estendo-te as cores de um coral escondido,
quero contigo ser,
um ponto firme no linho.
Rodam os remoinhos dos medos antigos,
secam as pálpebras e faço-me a um qualquer caminho
tentando ter-te e ser sem ti.
Quebram amarras neste alvoroço,
dar-te e nada esperar ter,
poetizar e amar.






4 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

e já é tanto...

tanto...

beijo

:)

Jaime Portela disse...

Acho que é a primeira vez que venho ao seu blogue.
Mas fiquei logo maravilhado com este poema. E, depois, com todos os outros que li.
Parabéns pela excelência da sua poesia.
Teresa, tenha um bom fim de semana.
Abraço.

O Puma disse...

Pois

...e já é tanto
Onde é que já escrevi isto?
Bj

Graça Pires disse...

"quero contigo ser um ponto firme no linho" Lindíssimo, o poema, Teresa.
Um beijo.