terça-feira, 18 de agosto de 2015

Solto a gárgula da parede
liberto Deuses e Deusas,
danço loucamente no pátio,
espalho palavras ao acaso,
e grito, sei-me livre,
tenho apenas acasos,
onde me sinto, onde ajo
onde sou e contraceno,
tenho personagens no ato,
tenho tetos e abraços,
tenho nada, tenho pedaços.


6 comentários:

Baila sem peso disse...

Tens-te a ti!...
Solta ou presa
o deus ou deusa
velará por teu voo...
e no voo caturra soou
e fez palavra alada
palavra em livro desenhada
a que parabéns dou!

beijo e que tudo seja momento, pedaço de alento!

Era uma vez um Girassol disse...

Que lindo....
Felizmente todos temos assim momentos...
Maravilhosos afinal....
Bjs

Graça Pires disse...

Nesta contracena encontras a liberdade e a esperança inscrita nos teus sonhos.
Um belo poema, Teresa.

Mar Arável disse...

Sopro-te

e voo

Bj

mfc disse...

... e tens um talento raro.
Beijos.

heretico disse...

metamorfose e sonho...

beijo