segunda-feira, 24 de novembro de 2014





Tropeções na elipse do tempo,
as rodas dentadas sem permissão continuam a ser alimentadas.
Vem o fogo, vem a água,
vêm todos os elementos tentando apaziguar os lestos pensamentos.



3 comentários:

Graça Pires disse...

Mas continuas a pensar e com lucidez...
Beijo, Teresa.

Gasolina disse...

Que pode a máquina contra o sentir?

Por detrás de tudo, sempre o homem. E até este, um dia foi menino, foi pensamento.

Mar Arável disse...

Um dia os relâmpagos

falarão mais alto

Bj