terça-feira, 21 de março de 2017

Solto-me angustiada,
Também extase nunca acabado
Em formas disconexas
Mas num corpo inalterado.

Queria, para além disso,
Um universo repleto de imagens
Onde o sono se confunde
Com as palavras não ditas
De vergonha de serem guardadas.

Queria um sol anunciador
Estamos em primavera, em flor,
Em experiência de odor.
Uma crença na vida
Um vaso com flôr.

Não passei de ilusão
Sobram os tempos de exaustão
Neste rasgo, neste salto
Sou poeta de versos inacabados
Esperando o regresso inalterado.

Espero ser voz
Dum fado cantado
Esperando as guitarras
Esperando mulher
Nunca terminada.

Poderei ser melodia
Um tiro mal atirado
Mas ergue-se a voz
Pois não me calo.



2 comentários:

Mar Arável disse...

Que não se calem os versos inacabados

Bj

Manuel Veiga disse...

não te cales. nunca
canta ainda que a voz te doa.

beijo