domingo, 5 de fevereiro de 2017

O vento rodopiou nas lendas,
trazendo a Velha da Égua,
encantamentos tão antigos
que as gentes ainda temem.

Roçam cavalos brancos
que levam o viajante incauto,
luzes misteriosas aparecem
enganando o crédulo.

Quando a lua atinge o auge
Corredores correm sete colinas,
sete pontes e montes,
sete encruzilhadas e portelas de cão,
fado sem razão.

Dizem que no velho mundo
o misterioso era sobranceiro,
em tempo de guerreiros
façanhas sobrehumanas
eram conseguidas em campanha
pela mão dos Deuses antigos.


2 comentários:

Graça Pires disse...

Sabe-se lá o que essas lendas não têm de verdade, já que os deuses gostam de estar entre nós...
Uma boa semana, Teresa.
Beijos.

Manuel Veiga disse...

os deuses antigos soçobraram perante o omnipresente "Deus-Consumo"

beijo