terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Pedem-me os dedos, dou a mão,
velozes os acontecimentos,
nada pode ter sido em vão.
Reguem-me as flores,
carreguem-me o caixão,
hei de vencer no mar
não importa a transformação.
Velozes os acontecimentos,
nada foi em vão.



5 comentários:

  1. Nada foi nem será em vão. Muito menos as tuas palavras...
    Um beijo, Teresa.

    ResponderEliminar
  2. Nada é em vão se a vida é uma paixão. Beijinhos. Boas festas.

    ResponderEliminar