quarta-feira, 27 de agosto de 2014





Cai o pó que encobre o espírito,
abrem os olhos em fome devoradora,
solto, plano, integro-me, doces estrelas onde me reflicto,
abraço eterno no mistério do espírito.
Sou pássaro, sou voo,
quero resgatar o eterno.


5 comentários:

Graça Pires disse...

Ser pássaro. Ser voo. Ter as asas do sonho e da beleza. Muito belo, amiga.
Um beijo.

© Piedade Araújo Sol disse...

e voar nas asas do destino e da vida....

:)

Mar Arável disse...

Belíssima síntese

do voo

Gasolina disse...

Pois é. Os olhos de fome devoradora é que não deixam descansar.
E ainda bem, ou a vontade do voar longe em tardes de chuva deixaria o pó acinzentar tudo.

Menina Marota disse...

... e voar nas palavras e nos sentimentos.

Gostei muito.

Um abraço