domingo, 3 de agosto de 2014








Recorda-me a tua cara para que saiba sorrir,
és um pássaro, um cantar distante?
És a minha alma expandida onde não te encontro,
as minhas mãos que te escrevem,
a solidão da estação,
o propósito das noites quentes.

Sentes-me? Sinto-te?
Um longo frio da distante ravina,
amealhar de vazios em olhos dormentes,
colecção de ausências da minha tristeza,
onde estás desde que te afastaste?

Sim, choro em violência reprimida,
continuamente pela sombra desaparecida,
o calor derretido em brasas quentes.

Foste. Foste e não posso quebrar o tempo como o enredo.
Sento-me desamparada em braços da montanha,
engolida por cavernas de desertos longínquos.





3 comentários:

Graça Pires disse...

Como diz o poeta: "Sentes? Então é porque é verdade".
Um belíssimo poema, Teresa.
Beijos.

Mar Arável disse...

Excelente esta viagem

pelos sonhos acordados

Gasolina disse...

Sentei-me por aqui a ler-te.

Palavras de alimento, mas que se tomam a solo, o sentido é privado, uma quase distância e pudor no grito mudo.

O dantes e o cru agora.

Muito bom saber dos teus voos, muito bom.