terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Ema

-Tem um cancro agressivo no coração.
A minha cadela vai morrer e serei eu quem dará a ordem. Morrerá num sono profundo, sem dor.
Hoje contamos histórias enquanto lhe damos todas as goluseimas proibidas. Hoje é o dia da Ema. Amanhã irá para o Outro Mundo onde encontrará o Tejo, o seu companheiro que nos deixou há uns anos.
Hoje não é dia para chorar.

6 comentários:

Mar Arável disse...

Um momento que já passei

Coragem
Bj

Rui Fernandes disse...

A morte é o último instante da existência. Que seja belo!

Manuel Veiga disse...

"cães como nós..."

força!

beijo

Graça Pires disse...

Coragem, Teresa.
Um beijo.

© Piedade Araújo Sol disse...

Só li agora...

sei o que é...

beijinho

:(

Era uma vez um Girassol disse...

Triste.....Bjinho