sexta-feira, 28 de agosto de 2020

 Fala-me

de todos os segredos
que se esconderam de mim,
a magia de uma árvore,
a tagarelice de uma pedra,
de uma erva que se sente diferente.
Fala-me dos tempos idos,
quando saltava de pedra em pedra num riacho.
Fala-me de todas as vezes que conquistei uma árvore.
Fala-me para que recorde,
fala-me de todos os meus sonhos
para saber que não esqueci nenhum.
Mas fala-me.
Teresa Durães

4 comentários:

  1. poema muito bonito
    gostei de verdade

    beijo

    ResponderEliminar
  2. Tão impregnada de Natureza, minha querida Amiga. E o poema tão cheio dela...
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  3. Teresa, espero que estejas bem.
    Um beijo, Amiga.

    ResponderEliminar