segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Abro as asas e os anos devoram-se
num infinito movimento.  Reaprendi
as formas e distanciei-me das sombras.
Hoje os meus olhos estão mais límpidos
que outrora quando navegava nos novelos
dourados de construções falsas.
Fecho as asas e sereno.
Agradeço aos Deuses antigos.
Respiro as folhas das árvores,
os padrões voltam a brilhar. 


2 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

vamos deixando de complicar e adquirindo sabedoria
belíssimo
boa semana.
beijo
:)

Mar Arável disse...

Folha ante folha

Bjs