domingo, 28 de junho de 2015



É de cor incerta
que te escrevo estas palavras
ecos em paredes por preencher,
no tempo perdido
onde não sei onde me encontrei.
Como talvez agora
na incerteza das folhas onde te procurei.
O quanto te amei.


Sem comentários: