terça-feira, 22 de outubro de 2019




Saí para a rua sufocada, na estrada buzinavam automóveis, em todo o lado betão. Corri, corri, corri e apanhei o comboio para Sintra. Nada era o que era, mas trepei aos caminhos escondidos até chegar às minhas pedras, ao meu refúgio. Queria tanto dizer que tudo permanecia como sempre, que as motos não devastavam o lugar, que os automóveis não devastavam o lugar, mas seria mentia e mentiras não conto.
Embrenhei-me por caminhos antigos, por aqueles que os turistas não conhecem e não levam a nenhum lugar especial, simplesmente a natureza livre dos outros onde poderia reencontrar os meus Deuses, esses que ninguém acredita, mas para mim não é importante.
Só queria o caminho das ervas, o caminho da paz, o caminho longe de motores e gente que não preserva, não o respeita e nem compreende. Não consegui nada disso, são demasiados, aniquilam sem saberem o que fazem e chamam de desporto.

Sem comentários:

Publicar um comentário