sexta-feira, 18 de outubro de 2019




Hoje choveu um pouco, as flores brilharam, o rosto do povo brilhou, mas não sabe o mal que faz à terra quando produzem o que não devia ser produzido nestas paragens. Todos comemos, todos somos pactuantes, mas o solo grita, as barragens descem de nível e ninguém quer saber. Três regas por dia quando não devia acontecer. Nada percebo de agricultura, mas a água evapora nas horas de calor e as árvores não bebem, bebe o sol, provavelmente mais sedento do resto do Planeta. Somos inconscientes, não queremos saber, fazemos as nossas regras ao nosso sabor e a água sofre, as barragens descem, o povo queixa-se quando é o principal culpado.
Levantei voo e fugi de todos os laranjais, estou cansada da prepotência, de todo o egoísmo porque não terei palavras para explicar aos meus filhos porque terão de morrer em breve. Porque irão, como eu. As migrações começarão e a guerra rebentará, seremos um produto do impensável, do indiscutível e perguntam-me, o que tu fazes? Tanto quantos os outros, apenas tento ser um pouco menos, não consigo viver nesta civilização tão viciada e disso tenho medo.

Sem comentários:

Publicar um comentário