domingo, 9 de junho de 2019


[Cezanne]
Chovem flores soterrando a relva de diversas cores. Os transeuntes olham, atónitos, os automóveis param e os condutores saem assombrados. São milhentas as pétalas que se desprendem formando uma cortina macia, não há nada no céu que anuncie acontecimento tão insólito, mas chove, chove mansamente.
Não se sabe se foi o vento que as trouxe arrancando-as de um campo qualquer, ou um desígnio inexplicável. Mas o certo é que já não há recanto do chão que não seja um manto de cores, o cinzento do alcatrão desapareceu e a chuva inaudita continua mostrando na sua glória a vontade suprema da natureza.

Sem comentários:

Publicar um comentário