sexta-feira, 28 de agosto de 2020

 Fala-me

de todos os segredos
que se esconderam de mim,
a magia de uma árvore,
a tagarelice de uma pedra,
de uma erva que se sente diferente.
Fala-me dos tempos idos,
quando saltava de pedra em pedra num riacho.
Fala-me de todas as vezes que conquistei uma árvore.
Fala-me para que recorde,
fala-me de todos os meus sonhos
para saber que não esqueci nenhum.
Mas fala-me.
Teresa Durães

10 comentários:

  1. poema muito bonito
    gostei de verdade

    beijo

    ResponderEliminar
  2. Tão impregnada de Natureza, minha querida Amiga. E o poema tão cheio dela...
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  3. Teresa, espero que estejas bem.
    Um beijo, Amiga.

    ResponderEliminar
  4. Existes nas tuas terras de estrêmos? Estás bem?
    Abçs

    ResponderEliminar
  5. Uma visita a relembrar outro tempo. Abraço.

    ResponderEliminar
  6. Belíssimo.

    (Parece que andei para trás no tempo).
    Bj

    ResponderEliminar
  7. Delicioso de se ler, Teresa!
    Continuação de uma noite feliz!
    Um beijinho esvoaçante!
    Megy Maia🌹🌸🌷

    ResponderEliminar
  8. Andei hoje por sítios "calados" e passei aqui. Uma coisa é a memória, outra a ausência inexplicável. Até sempre.

    ResponderEliminar
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar