segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Tento aceitar a última lembrança que tenho de ti - confiaste em mim como se fosse possível dar-te um prado para correres.

(fiquei só, afogada em lágrimas, sem alento pela decisão que precisei de tomar - o teu desaparecimento)

Queria-te imortal mas apercebi-me que também os Deuses te queriam.

Queria uma vida eterna onde sempre estaríamos juntas mas as cordas de uma guitarra cantaram para ti um fado novo.

Sem comentários:

Publicar um comentário