domingo, 1 de julho de 2018

Sei que não devia sentir o que sinto. Dizes-me - nunca te abandonei. Dizes que as conversas das árvores são ecos da nossa existência. Que uma vela é o teu olhar. A brisa que corre, uma carícia. E as minhas mãos tão sós.

Sem comentários:

Enviar um comentário