sábado, 11 de março de 2017

Não tenho sono
ou julgo não ter.
O sono envelhece,
não que queira ficar nova,
já nem consigo medir o tempo.

Antes os pássaros voavam livremente
mostrando com arrogância a liberdade
aos presos.

Agora não tenho sono,
nem pássaro nem mulher,
tão pouco livre.

Agora os Deuses riem da humanidade
como se fosse
um muro com as pedras tortas.



6 comentários:

O Puma disse...

Os pássaros não dormem

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

Se não tens sono ou julgas não o ter
Tens tido tempo teu tornado alheio
Ao sonho tão afim neste teu meio
De acordar sabendo do teu ser

Que sonha ter um sono de prazer
Para sonhar com aquilo que não veio
Ao pensamento solto em um passeio
Ao inconsciente ciente em saber

Que se se dorme e sonha-se, há vida
Alegre, displicente e colorida
Com o matiz da cor do paraíso

É necessário que depois da lida
Para uma noite terna e bem dormida
Vigília é bom, mas sonhar é preciso.

Grande abraço. Laerte.

Graça Pires disse...

Voltarão os pássaros para sobrevoarem o teu sono, Teresa...
Uma boa semana.
Beijos.

Manuel Veiga disse...

um pavor - os pássaros!
beijo

© Piedade Araújo Sol disse...

talvez um dia os pássaros voltem a voar
e o teu sono seja povoado de sonhos
talvez...

beijinho
:)

Manuel Veiga disse...

os deuses há muito tempo que enlouqueceram...
beijo